Morar na praia 2.0: “Slow life”?

Devagar? Não sei… Uma vida com mais paciência, talvez. Talvez porque ainda não sei se serei capaz de esperar esse nível de despreocupação chegar. Para então conseguir fazer uma coisa de cada vez. Alcançar a serenidade necessária para saber que cada coisa virá em seu justo momento. E que, nessa vida na praia, o “tudo ao mesmo tempo agora” será oficialmente impossível.

Mas onde não seria?

Quero ter calma para

“Seguindo o Universo” ou “Freud e o Inquietante”

Li, não me lembro onde, que certa vez Isaac Newton teria recebido a visita de um amigo em sua casa que teria ficado intrigado com uma ferradura de cavalo próxima à porta. Não resistindo à curiosidade, teria perguntado ao formulador lei da gravidade se ele de fato acreditava que o objeto traria boa sorte. Ao que o cientista teria respondido: “Claro que não. Mas ouvi dizer que funciona mesmo assim”.…

O toldo e o menino

O toldo está ali: amarrado. Duas pontas lá em cima, no alto da parede. A terceira, mais embaixo, na mureta da frente. Ele acha que gosta do sol. E fica ali, paradão, se esquentando. Até que chega o vento, todo de uma vez, ninguém sabe de onde.

O que o toldo queria mesmo era ser a parede. Ninguém nem consegue dizer se tá ventando olhando só para ela.

O toldo …

“Ser humano e não um pássaro” ou “Rumo ao vento versão 2.0”

Primeira entrevista com um psicanalista. Sentam-se frente a frente. Trocam algumas amenidades e então vem a pergunta: o que o entrevistado esperava daquela análise?

Ele não queria que muita coisa mudasse não. Queria apenas ter um pouco mais de confiança de que um dia não iria se arrepender das decisões que vinha tomando.

Essa confiança pode existir?

Pode.

Mas seria realmente útil?

A vontade, na verdade, era a de aproveitar …